(11) 4122-6700 | (11) 4123-5677 | (11) 94886-0221

atendimento@fluxo.com
Escolha uma Página

Úlcera varicosa, úlcera de estase, úlcera venosa – como diferenciar das demais?

Todos sabemos sobre um conhecido, um amigo, ou mesmo um familiar que tem ou já teve uma ou mais feridas nas pernas. Outras vezes, andando na rua vemos algumas pessoas com a perna enfaixada, sugerindo a presença de uma ferida naquela perna.

As feridas dos membros inferiores são, em grande parte, originárias de problemas vasculares, mas outras doenças podem causar lesões ulceradas nos membros.
Existem várias causas para as úlceras de origem vascular nos membros inferiores. Essas vão desde gangrena por obstrução das artérias até úlceras neuropáticas causadas por alterações de sensibilidade e movimento dos membros (podendo ocorrer em diabéticos e em pacientes com hanseníase).

Aquelas úlceras crônicas de origem infecciosas e parasitárias já são menos comuns no nosso país atualmente, principalmente nos centros urbanos, mas ainda podedm ocorrer em regiões mais rurais.

Tipos de úlceras vasculares

As feridas de causas vasculares podem ser basicamente de 3 tipos:

  • Úlceras Isquêmicas: são causadas por falta de circulação arterial. São mais comuns em pacientes com doença arterial obstrutiva (que acomete mais diabéticos, fumantes e dislipêmicos).
Úlceras isqu~emicas - gangrena do pé esquerdo

Várias úlceras isquêmicas por gangrena superficial dos tecidos do pé.

  • Úlceras Microangiopáticas: Decorrem da diminuição do fluxo sanguíneo na pele. Essas úlceras são mais comuns em pacientes hipertensos graves mal controlados;
úlcera microangiopática hipertensiva Martorel

Úlcera microangiopática em fase adiantada de cicatrização

  • Úlceras Venosas (úlceras varicosas ou úlceras de estase): Como o nome já diz, ocorre em virtude da insuficiência venosa crônica (varizes).
Úlcera venosa - úlcera varicosas - úlcera de estase

Úlcera venosa (úlcera varicosa ou úlcera de estase)

  • Úlceras Mistas: Nesses casos, há mais e um componente causal. Por exemplo: um paciente com varizes e insuficiência arterial pode ter uma úlcera tanto de estase (varicosa) quanto isquêmica.

Em princípio, as feridas podem ser até mesmo parecidas. Porém, para um observador bem treinado, cada um dos tipos de úlceras vasculares tem apresentações clínicas discretamente diferenciadas que, somadas às informações da história e exame clínico dos diversos sistemas, conduzem ao diagnóstico da causa de cada tipo de úlcera.

A úlcera varicosa:

Úlcera varicosa

Úlcera varicosa – notar a região na face interna do tornozelo

A manifestação mais típica da úlcera varicosa é uma ou mais feridas na face interna da parte mais baixa da perna (próximo ao tornozelo). Geralmente as bordas são bem identificadas e a feria tem fundo avermelhado ou esbranquiçado na dependência do grau de cicatrização e pela quantidade de fibrina. Quando estão infeccionadas  podem estar muito vermelhas, quentes e com secreção. Podem ser dolorosas, principalmente se o(a) paciente permanece mais tempo em pé ou sentado com as pernas para baixo. No entanto, em geral doem menos que as úlceras isquêmicas e microangiopáticas (ambas muito dolorosas). Obviamente há varizes associadas e geralmente são de graus bastante avançados. Quando não há varizes associadas à ferida, devemos pensar em outra causa. Outros sinais de insuficiência venosa crônica, tais como escurecimento e endurecimento da pele, podem estar presentes. Em fases muito avançadas, ocorre um fenômeno chamado de atrofia branca, quando o tecido apresenta cicatrizes de muitas úlceras prévias e a pele atrofia e se torna dura e com tom de mármore branco ou perolado.

As úlceras varicosas podem surgir espontaneamente ou após pequenos traumas e  coceiras. Podem também se desenvolver a partir de outra consequência grave da insuficiência venosa crônica, o sangramento de varizes que geralmente ocorrem próximas ao tornozelo ou pés.

As úlceras varicosas podem ter tamanhos variados conforme o tempo de evolução, a quantidade de varizes e se foi tratada ou não. Podem variar de poucos centímetros de diâmetro até se estender por toda circunferência da perna.

Leia o artigo sobre tratamento da úlcera varicosa, clicando aqui.

Lembre-se, as úlceras de membros inferiores devem ser sempre avaliadas e tratadas por um angiologista ou cirurgião vascular.

Visite e assine também nosso canal do youtube onde há mais informações vasculares relevantes.

Dr. Robson Barbosa de Miranda.

Clique aqui para um Infográfico sobre os diferentes tipos de feridas vasculares

Referências usadas para confecção desse artigo sobre tratamento a úlcera

  1. Sourcing: Welche Varize ist ulkusrelevant? – Phlebologie 2014; 43: 180–182\
  2. Identifying the source of superficial reflux in venous leg ulcers using duplex ultrasound J Vasc Surg 2010;52:1255-61.
Dr. Robson Barbosa de Mianda é Angiologista, Cirurgião e Ecografista Vascular e editor desse Blog Vascular

 

Share This
Whatsapp